Medo de amar

19:06




Geralmente o amor dá e passa. Como uma doença que pegamos e depois de muito lutar, nos livramos. Foi assim que aconteceu com a gente, meu bem. Você chegou sem pedir licença, invadiu meu coração e bagunçou tudo aquilo que costumava ser arrumadinho. Não gostei, não gostei nem um pouco.  Sou paranoica demais para ver minhas coisas fora do lugar. Demorei meses, quase um ano, para conseguir achar o amor próprio que se perdeu em meio a tantos sentimentos novos que ocupavam o meu coração. A coragem, tirou férias. A vontade de ficar sozinha? Se perdeu. Eu me perdi. Você sufocou demais, apertou tanto que mal conseguia respirar. Não é que eu estivesse me fazendo de difícil, é que eu não conseguia me entregar assim tão facilmente. Eu tinha vontade de dizer que te amava a cada sorriso, a cada abraço, a cada conselho. E isso me assustava demais. Você era a melhor parte de mim e, talvez a única que realmente fosse verdadeira. Toda vez que nos víamos sentia como se fosse a última, porque mais cedo ou mais tarde, eu sei que isso aconteceria. Era mais forte do que eu estragar todas as coisas boas que aconteciam na minha vida. Eu era viciada em decepcionar pessoas.
O que você não sabia é que por trás de toda essa casca de mulher durona existia uma garota com medo do amor. Estava ali na sua cara o tempo todo - só você não viu. Eu chorava com comerciais de margarina, assistia filmes de comédias românticas e adorava livros sobre amores impossíveis. Minha músicas preferidas eram as mais calminhas e eu me imaginava entrando de branco na igreja com todas elas. Admirar o amor é uma coisa, ter coragem de vivê-lo, outra. Quanto à esta última, nunca tive. E por não tê-la, escolhi odiá-la. Bater no peito e me declarar independente. O único amor que me permito sentir é o amor próprio e sempre que chego perto de alguém que faz minha alma levitar, dou um jeito de afastá-la.

Então por favor, peço que me entenda. Tudo que fiz para te magoar, foi para provar que mais uma vez, eu conseguiria escapar do amor. Quando eu disse que nunca te amei? Eu menti. Era demais para mim admitir em voz alta que sou uma covarde em fuga. Sei o que você deve estar pensando, se vou fugir do amor para sempre... Olha, não sei. Mas vou lutar com todas minhas forças para que ele nunca me domine. O amor rasga corações, extermina esperanças e engana os mais espertos. E eu não sou tão corajosa assim. Prefiro perder pessoas incríveis do que perder a mim mesma.

Esse texto incrível foi escrito pela Isabela Freitas, que ainda não conhece seu site e outros textos venha e veja o que a rainha do desapego tem a dizer www.isabelafreitas.com.br 

Posts relacionados

6 COMENTÁRIOS