O que você quer ser quando crescer?

16:05



Em algum momento da vida, todos nós já fomos questionados sobre nosso futuro profissional. Pode ter sido pelos pais, tios, avós, amigos, ou até mesmo por quem a gente nem conhecia direito. Tô certa, né? E acho que todo mundo tem uma ideia do que pretende fazer quando sair do colégio, embora nem todos sonhem em fazer faculdade. Eu sei, pode ser besteira dizer que hoje em dia alguém opte por não seguir uma jornada acadêmica, mas acreditem, as exceções sempre vão existir. Então, não vamos culpá-las.

Não é porque amo animais desde criancinha que vou ser médica veterinária. Não é porque amo dar conselhos que vou ser psicóloga. Não é porque sempre tive medo de dentista que vou descartar fazer odontologia. Vou explicar porque penso assim. Cogitei diversas carreiras profissionais desde que aprendi a ler e escrever. Escolhi fazer Jornalismo. E fiz. E não me arrependi, mas cansei. É isso, simples assim. Cansei! Aprendi coisas na faculdade que vou levar comigo pro resto da vida. Coisas boas, coisas ruins. Pessoas boas, pessoas nem tão boas assim. Tenho certeza que podia ter me dedicado mais, quem sabe assim teria me apaixonado de verdade pelo curso. Pensei em desistir (o que acredito que aconteça com todo estudante em alguma fase da vida), mas fui até o fim. O dia da minha formatura foi um dos mais felizes da minha vida. Mas o que vem depois?


Depois, ah, o depois. Sou daquelas que buscam a felicidade a todo custo. Meus pais sempre apoiaram minhas escolhas e isso fez com que eu não tivesse medo de encarar novos desafios. Trabalhei fora da minha área de formação e também tive a oportunidade de trabalhar na área, colocando em prática muitas coisas que aprendi na faculdade. Mas em nenhum momento, cheguei no final do expediente totalmente satisfeita. E é aí que mora o problema. Trabalho ruim, salário razoável. Trabalho razoável, salário ruim. Parece impossível ganhar bem fazendo algo legal, né? Parece mesmo! Eu mesma dizia: “a gente tem que fazer o que gosta, dane-se o dinheiro”.  Como assim, dane-se?

Alguns mais cedo, outros mais tarde. Mas chega um dia em que nós precisamos fazer algo a favor de nós mesmos. E sim, a parte financeira é muito importante. Ganhar muito dinheiro e não ser feliz é ruim. Mas trabalhar muito e não ter retorno financeiro também é. Eu quero viajar pelo mundo, conhecer lugares, pessoas, culturas. Quero um trabalho que me faça feliz, que me faça sentir raiva, mas que satisfaça. Quero desafios, quero conquistas. Quero filhos, quero tantas coisas. E pra todos esses “ quero” , o dinheiro é necessário. Então resolvi começar de novo, mas não do zero.  Já tenho uma profissão, mas almejo mais. Agora vou tentar outra coisa totalmente diferente. Mas e se não der certo? Aí eu vou continuar tentando, até chegar lá. Vou contar mais pra vocês no outro texto. Podem ficar curiosos!

Escrevi isso tudo com o propósito de mostrar que nunca é tarde pra recomeçar. Não pensem que fazer jornalismo é um erro. Depende muito de cada um, não existe um segredo pra fazer a escolha certa. No meu caso, cheguei no meu limite. Sei que esse não é o caminho pra mim. Também não pensem que jornalistas não viajam pelo mundo e que ganham mal pra caramba. Quem quer mesmo, vai à luta, conquista o topo. Não se acomode com os elogios. Seja impulsionado pelas críticas.  Assim funciona em todas as profissões. Estude pra ser o melhor, dê o seu melhor. E não sossegue enquanto não chegar em casa, esticar as pernas e pensar: “ valeu a pena”. Só vamos SER alguém, quando realmente CRESCERMOS, e não tô falando de tamanho, se é que vocês me entendem. 

You Might Also Like

0 COMENTÁRIOS

FÃ PAGE

PINTEREST